sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A caixinha de surpresas de Verônika

Por incrível que pareça, tenho uma razoável proximidade com o Japão. Nunca pisei em solo nipônico nem possuo raízes por lá, mas por acaso tenho parentes nascidos na Terra do Sol Nascente. Tudo começou quando um dos meus tios mais mulherengos foi encantado por uma baixinha de olhos puxados. Meses depois do casamento, ele fez as malas e decidiu dar um pulinho lá do outro lado do mundo. O passeio durou quase uma década e rendeu experiência, piadas, um pouco de dinheiro e duas filhas gêmeas japonesas. Meus pais são padrinhos das minhas priminhas orientais.

Assim como o meu tio galinhão, Verônika saiu do Brasil para se aventurar no arquipélago japonês. A diferença é que ela ainda está por lá. Ela e o filhote pequeno.

Era uma vez...

Verônika e mais uma cacetada de gaijins (estrangeiros) vivem e trabalham no Japão. Na verdade, mais trabalham do que vivem, segundo contava meu tio.

Em um dia normal, nossa heroína seguiu o mesmo ritual de todo santo dia: acordar cedo, deixar o filho na escola e pegar um trem para o trabalho, um restaurante que é um retrato do mercado japonês. Para você ter uma ideia, além dela, as equipes reúnem gente da França, Itália e Alemanha. E olha que é só um restaurante.

O que iria diferenciar este dia dos outros é que Verônika teria duas experiências únicas com aquilo que a gente cisma em chamar de acaso.

Verônika estava na estação Harajuku aguardando o trem e percebeu um homem ocidental concentrado. A moça apertou os olhinhos e percebeu que ele lia um livreto. Parecia ser um dicionário ou um pequeno guia do país. Era um turista com a cara do Johnny Depp. O trem chegou e o rapaz sumiu na multidão, deixando a menina encantada e frustrada.

Aliás, não entendo como alguém pode ser os cornos do Johnny Depp. Observe "Piratas do Caribe", "A Fantástica Fábrica de Chocolate", "Donnie Brasco" e "Edward Mãos de Tesoura", citando poucos. O cara muda o visual com a facilidade de quem troca de roupa. Se bobear, só a mãe dele sabe como ele é originalmente.

Horas depois, já no restaurante, o acaso atuou pela primeira vez.

O coração de Verônika quase saltou pela boca quando o Johnny Depp da estação entrou pela porta da frente. Ela acompanhou seus movimentos como se estivessem em câmera lenta e tentou calcular qual a probabilidade do mesmo rapaz que a fascinou na estação entrar no seu restaurante, em uma rua repleta de opções.

Matemática nunca foi o forte de Verônika, então logo abandou os cálculos. Rapidamente, ela reuniu as colegas e foi categórica:

- Vocês estão vendo aquela mesa ali? Deixem comigo.

As cúmplices toparam e Verônika logo descobriu que ele era francês e falava um inglês todo avacalhado.

Tô pra ver um francês comum falar a língua de Shakespeare com desenvoltura e prazer. Pois é, a Guerra dos 100 anos não passou impune.

Verônika desejou receber 50 chibatadas por ter ignorado as aulas de francês da Madame Juliette, mas superou os problemas de comunicação e engrenou um papo com o Johnny Depp da estação.

- Vou ficar mais oito dias por aqui. Você não quer me mostrar a região? - ele perguntou e Verônika quase deu um salto mortal duplo carpado para trás. Sentiu o tamanho da sua alegria? Mas como era gata escaldada, ela ainda arriscou um último teste.

- Claro, posso levar o meu filho pequeno?

Não me pergunte o porquê. Pergunta para a Verônika. Diz ela que é para dar uma chance para o cara desistir.

- Sem problema – aprovadíssimo. Imediatamente, eles trocaram e-mails e telefones em um guardanapo. Ele sorriu e guardou o pedacinho de papel. Não teve iPhone, celular de última geração ou laptop wireless. Só dois pedacinhos de papel como antigamente. Verônika tremia de excitação. Eles se falariam à noite.

Durante o dia, a brasileira trabalhou como se estivesse flutuando. Só que mesmo as atendentes flutuantes precisam comer. Verônika esqueceu de fazer qualquer refeição durante o dia. Uma das colegas percebeu e chamou a sua atenção:

- Você não comeu nada o dia inteiro. Tenho dois sanduíches de frango. Você quer um?

Neste instante, o acaso se manifestou pela segunda vez no mesmo dia.

- Claro. Por que não? - Verônika escolheu o da esquerda. Foi um gesto automático.

Algum tempo depois, ela começou a sentir fortes dores no estômago. Depois de vomitar tudo, Verônika continuou sentindo o abdômen doer como se tivesse bebido limonada com vidro picado. Correu para o hospital, onde foi imediatamente internada com o diagnóstico de infecção alimentar.

Tá pensando que tem SUS no Japão? Nada disso. Lá a parada funciona.

Maior que a dor na barriga foi a dor de perder o encontro com o Johnny Depp da estação. Curiosamente, Verônika ficou hospitalizada por... oito dias.

Momento flashback, que nem LOST: "vou ficar mais oito dias por aqui", disse o Johnny Depp, "oito dias. Oito dias. Oito dias". Vou confessar uma coisa: sempre quis escrever uma intervenção de flashback. A-do-rei! Opa... voltemos à história de Verônika.

Eles ainda trocaram alguns e-mails, mas o inglês escrito do Johnny Depp da estação era pior que os enigmas do Zodíaco, aquele lendário assassino estadunidense que nunca foi capturado. Exagerei, mas era muito ruim mesmo. Verônika ainda guarda o pedacinho de papel com o telefone e o e-mail do francês. Quem sabe ela escolha a Europa para um passeio de férias. Talvez a França, por acaso.


QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, se eu não tivesse a onisciência quase divina, eu diria que você está vendo muito SciFi Channel ou tomando muito açaí com proteinato. Sei lá, essas coisas dão onda. Enfim, a vida é cercada por manifestações do inesperado. Quando o súbito vem temperado por coincidências espantosas, as cabecinhas humanas especulam sobre o efeito borboleta, destino, sina, sorte e até azar. Pois vou dizer uma verdade cósmica: as pessoas são emanam energia e magnetismo. De certa forma, essas forças interferem involuntariamente no seu universo particular (não no disco da Marisa Monte, amiguinho). Caraca, maluco! Essa foi a moral da história mais Arquivo X que eu já concebi. Amiguinho, entre as suas cachaçadas, beba água. O álcool desidrata. Até a próxima!!!

PS. Querida Verônika, obrigado pela história inspiradora e pelos e-mails simpáticos.

32 comentários:

Olivia disse...

Nossa, até o he-man viajou.
Saudades do Japão.
Beijos

Surfista disse...

OLIVIA, He-Man tomou muito açaí com fortificante, Whey Protein e conhaque de alcatrão.

Barbara Góes disse...

Surfista.. adorei a história.. ri horroreees..

É por isso que eu creio na lei de murphie!

^^

Mariah disse...

fiquei pensando que a Verônica iria morrer da tal intoxicação...ai que medo!

Danfern disse...

que história bizarraaaaaaa

eu acho que poderia perfeitamente ser o Johnny Depp disfarçado de francês - ele não tem uma casa na França ????

Também tenho forte ligação com o Japão...minha melhor amiga é oriental e está morando lá...casou com um japonês e minha "sobrinha" vai nascer em breve e eu queria tanto estar lá com a minha amiga... :-(

mas um dia eu ainda vou !!! :-)

(e vou mandar essa história pra ela!!)

Ruiva disse...

Doug, se você via Anjos da Lei, vai saber qual é a verdadeira cara do Depp.
rsrs

maria disse...

Eu acho que vc já tinha me contado esta história...

Surfista disse...

BÁRBARA, obrigado!

MARIAH, só decepção matasse, o risco seria maior.

DANFERN, se não me engano, Johnny Depp é casado com uma francesa. Deve ter um canto lá em Paris ou no interiorzão.

RUIVA, eu lembro de "Anjos da Lei". Provavelmente, é o Depp em estado natural.

MARIA, não. Recebi essa aventura há poucos dias.

Surfista disse...

Momento pesquisa de opinião:

Moçada, sobre o que vocês querem ler? Que assunto seria legal no próximo texto?

maria disse...

hummmm... tem aí algum conto com assombração? fantasma? macumba? mandinga? superstição??? algo bem assim surreal???

RUInaldinho disse...

Fala Surfista! Mais uma boa história ;)

Sobre a pesquisa de opinião: sou seu fã por causa dos contos sobre romances urbanos, entre outros. Então, romances urbanos, tá pedido!

Abraço e longa vida!

Sadhana disse...

Bah!!! Amo tuas histórias pelo o humor que existem nelas, mesmo em situações embaraçosas tu capta humor de um forma incrível...
Tu consegues transformar um drama em uma comédia, de uma maneira que me deixa perplexa (acho o máximo)... Aliás, tudo haver comigo, pois sou toda errada né...oin...hahahaha
Então conta uma história assim, surpreendente, instigante, porém com um final que faça a gente morrer de rir.
Como de costume né!!!ADORO!!!
Pois é não sei se ajudei muito?!?!
Mais é isso ai!!!
Bjs Xuxu!!!

Anônimo disse...

Próximo assunto: o que fazer quando você sente tesão por alguém que é proibido para você, como chefe, seu subordinado, ex marido da amiga, ex namorado, padre e por aí vai.

OU

Como reagir quando você não tem certeza ou razão dos seus sentimentos para com o outro, mas todos dizem que o outro provoca. Você sabe que não é bem verdade, porque ele tem outra. Só que desconfia que ele deseja mesmo é pular a cerca e conhecer a grama do vizinho, mas não tem certeza disso.
E se os dois estiverem confusos e por questões diplomáticas decidirem se afastar. Não saberia dizer a palavra educada para isso. Vamos tentar algo em Freud. Que tal pulsão reprimida? Aliás, você conhece mulheres/homens reprimidos pela sociedade?

Eu tenho muita sugestão de histórias para ti.


beijo, beijo e mais beijos.

obs: Seria o He Man gay e o SPlatinado teria tomado um fora da Mulher Invisível? Eles se curtem?

Att, anônima dos Santos

Surfista disse...

ANÔNIMA DOS SANTOS (mas que de Santa não tem nada), He-Man e o Surfista são unha e carne, mas na concepção fraternal do termo. O Surfista é a figura que age impulsivamente e bota a cara. Já o poderoso He-Man é a sabedoria encarnada. Do alto da sua onisciência, ele encontra as palavras certas para analisar (ou avacalhar) as aventuras do Surfista). Quanto à sua sugestão, o tema é rico. Por acaso, você teria algo para contar? Fala que eu te escuto.

MARIA, vou ter que revirar os baús. Histórias de horror não são o meu forte.

RUINALDINHO, relacionamentos sempre rendem pauta.

SADHANA, obrigado!

Anônimo disse...

Tenho sim!
Amiga "apaixonada" por um seminarista. Eu estou quase entrando num casinho proibido. Ele é da minha área, conhece as mesmas pessoas do que eu, mas é estilo anônimo sapeca. Não vai rolar por váááários motivos.
1. Racionalmente ele não me interessa.
2. Ele só quer me levar para o motel e nada mais. Nada contra, mas agora eu quero um cafuné dos bons. Entende?
3. Ele é infantil. Parou nos 15 anos. Disse que me queria toda de chocolate. Isso não é baixo? Se eu tivesse algo como ele, beleza, mas não dei estas intimidades para ele. Além disso, somos da mesma área e quase da mesma empresa.
4. Ele se aproveita do fato de eu estar sensível para me atacar.
5. Ele tem borogodó, mas só.
6. Não divido homem.
7. Isso aqui está virando os 10 mandamentos?
8. Está quase assim, né? Faltava ele ser mais alto, mais maduro e mais honesto com ele e comigo.
9. Ele sabe magoar quando eu digo não.
10. Apesar de tudo, ele é um fofo, mas não rola nem vai rolar.

Obs: Ele também disse o mesmo que você.

Beijossss dos Santossss

Anônimo disse...

Eu conheço a Veronika?
O inesperado é sempre bom, mas o problema é que o coração é um músculo involuntário e ele pulsa por alguém que não deveria pulsar.
Você gosta de Marisa Monte? "Um dia eu vou estar a toa e você vai estar na minha. Eu sei que você sabe que é difícil te dizer. O meu coração é um músculo involuntário e ele pulsa por você". Já cantei muito isso lembrando do sr. Veirano. Agora o sr.chocolate não para. Não sei mais o que faço com ele. Nossa, homem é um bicho complicado!
Eu quero um Paulo Zulu na minha vida. Pena que ele seja casado.

beijossss dos Santossss

Anônimo disse...

OBS: eu acho q vc não vai aguentar
[12:10:17 AM] Silva: vc só me usa, na real, né???
[12:10:32 AM] Silva: ficamal por causa do babaca prateado e vem se sentir melhor comigo?

Homens viajam!!!!

Anônimo disse...

Obs 1000: Estaria eu me apaixonando pelo sr. chocolate ou são os hormônios enlouquecidos? O problema é que ele não é claro comigo. Homem com joguinho me irrita!

Mulherzinha Sim! disse...

Coitada da Verônika! Aposto que ficou traumatizada e nunca mais comeu sanduíche de frango.

Vou pensar em uma pauta para você.


Beijos

Alfa disse...

Doug querido,
Bom dia para vc!
Seguinte, vc quer pautas de relacionamento? Se quiser, estou enrolada até a última gota. Se quiser falar comigo depois para pegar a ideia da pauta, eu aceito, mas só vc, a Mulher Invisível e o nosso amigo ator. Quase uma saída a 4 ahahahah A mulher dele está enrolada com a facul. Quando vc conhece-la, vai ver a benção que ela é. Aliás, meu José passou por aí? Ele está perdido no meio de um tiroteio. Tem notícias dele? rs...

Saudades de conversar com vc! Agora é com vcs. Parabéns pela novidade!

bjs,
Alfa

obs: Estou pensando em voltar a escrever. O que vc acha? Aliás, outra pauta: pq o dia tem 24h?

Alfa disse...

Querido, sabe que eu sou jornalista, mas tenho a viagem de publicitário. Olha este cartaz e me explica qual é a da parada. O que está pegando?
Você conhece o Santoro? Se quiser mandar ele para cá, eu deixo ele ajudar a acalmar o vc sabe o que. O vc sabe o que é maldito. Me deixa mt feliz por 3/4 dias e na TPM braba por uma semana. Ninguém merece!!!! E os homens que te provocam naqueles três dias? Preciso de umas dicas suas e da M.I. sobre o assunto. Na moral, a chapa está esquentando aqui.
Daqui a pouco vou estar que nem as suas anônimas. Socorro!!!!
Vamos fazer um combo? Diz para a Mari aparecer na missa aqui e depois vamos para o Mc Donald's

Mari disse...

Doug,
Vc acha que eu ficaria horrorizada trabalhando na sua firma? Me disseram que na entrevista eles perguntam se vc aguentaria ver certas coisas. Informação procede?

A firma SP tem ligação com a firma RJ? Vc faz esta ligação?

bjs,
Mari

Mari disse...

Doug,

Mais uma pauta para vc. Mulheres com 20 e muitos anos que querem casar.

Vou deixar em aberto e te conto por email a situação, ok?

bjs,
Mari

Sadhana disse...

Bom ANÔNIMO, também quero um Paulo Zulu pra mim... mas aquilo tudo lá é especie em extinção... xD
Até acho que eu merecia né!!!!

Marianna Riet disse...

Ele é muito bem casado, uma pena.

Doug, estamos na semana Global de Empreendedorismo, certo? Você tem algum contato da asscom de lá?
Este pode ser um tema para o seu blog. Que tal? Empreendedorismo entre amigos. Ex: Bloom Design

bjs da jornalista frenética

Manel Cruz disse...

Eu vou dizer até me ouvir,a dor chegou para ficar. Eu vou parar quando eu sentir não haver motivo algum para negar. É como ouvir alguém dizer: vê nessa procura uma razão para virar a dor para dentro,que é virar o amor para dentro...falo de um amar para dentro Manel Cruz

Caro blogueiro, cai aqui por acaso. O que fazer quando se sofre por amor?

maria disse...

Não precisa ser história de horror... pode ser uma coincidência estranha, uma superstição, ou alguma história do interiorrrrr :)

Surfista disse...

MANEL, obrigado pela visita! Rapaz, se não sofrer por amor, por que outra razão? Desconheço qualquer outro motivo mais legítimo que aquele que nos corta o coração. Não tema o que fazer, mas tenha pavor do que NÃO fazer.

MARIA, vou fuçar o baú e ver o que encontro.

Surfista disse...

Obrigado a todos pelas respostas.

Nos próximos capítulos: sexo, medo, rock'n'roll e outros temperos da vida. Tire as crianças da sala!

Alfa disse...

Este blog me diverte!
O povo daqui é muito engraçado.

Parabéns, Surfista!

Sabe da Mulher Invisível? Queria saber se ela vai para o evento de amanhã.

bjs

Mulherzinha Sim! disse...

Surfista, gostaria que você contasse histórias de ciúme, situações engraçadas ou acasos. Tipo: na época da facul, ficava com um menino, que tempos depois descobri ter sido o cara que tirou a virgindade da minha amiga da escola!

Alfa disse...

Mulherzinha, esta foi boa! Pode ir para a novela da Alfa rs...
A gente se conhece na vida real?

bjs