segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Top #5 - Músicas de fossa

Atendendo ao delicioso desafio da minha querida Truculenta, vou listar o meu Top 5 - Dor-de-cotovelo. A seleção é reveladora e muitos amigos (e leitores) vão me sacanear por toda a eternidade, amém. Enfim, divirta-se!
.
.

"She'll come back to me", do Cake.
Poucas canções de fossa me arrebatam tanto quanto esta do Cake. Na verdade, acredito que em poucas vezes um compositor conseguiu ser tão visceral em sua dor, em sua saudade. A parte em que o vocalista assume que "se ela quiser o outro mais do que a ele mesmo, tudo bem" é de uma sinceridade explícita. Saca um trechinho da música: "all day I wait and wait / to hear her footsteps on my walkway. / She never came. / She never even called. / She'll come back to me". Com licença, vou ali chorar e já volto.



"Love Hurts", do Nazareth.
Dá para levar a sério uma capa dessas? Pois, quem vê os sorrisos marotos e pimpões dos quatro integrantes do Nazareth não imagina a dor que está no disco. "Love hurts" tem todas as presepadas das boas canções de amor platônico: solos de guitarra, rimas pobres, clipe cafona, um vocalista sofrido e drama, muito drama. Duvida? Perceba a angústia do poeta: "love hurts, love scars, / love wounds, and marks, / any heart, not tough, / or strong, enough / to take a lot of pain".




"Still loving you", do Scorpions.
Ah, o amor corroído dos Scorpions... O título verdadeiro e direto já adianta o serviço. "Eu ainda te amo" é uma declaração mais dolorida que o próprio "eu te amo", pois é a confirmação de que o sentimento ainda vive. "Still loving you" é farinha do mesmo saco de "Love hurts". Um pedacinho para você entrar no clima de fossa da banda alemã: "try, baby try / to trust in my love again / I will be there, I will be there / love our love / just shouldn't be thrown away / I will be there, I will be there".




"Careless whisper", do Wham.
Essa envergonha qualquer ser humano, mas não poderia faltar na minha lista. Meus amigos dizem que esta música é a minha cara, e por incrível que pareça, eu tomo como elogio. Mas, vamos à música. Antes de soltar a franga, Sir George Michael usava cabeleira platinada, fazia o estilo comedor-de-menininhas e vestia ternos com ombreiras. Como todo galã, ele tinha que ter uma balada sofrida. "Careless whsiper" é isso tudo e muito mais: tem um solo clássico de sax na introdução, clipe tosco e um refrão grudento, triste e verdadeiro: "So i'm never gonna dance again, the way I danced with you". Eu te entendo, George.


"In my place", do Coldplay.
Nem só de velharias vive o meu repertório de fossa. O pianinho limpo e inebriante do Chris Martin brinda os ouvidos apaixonados com uma das canções de amor mais doces que já ouvi. Ele transpira culpa e solidão, mas torce para ser resgatado. Essa melodia é tão fascinante que nem a Gwyneth resistiu ao sofrimento do cantor. Manja: "In my place, in my place / were lines that I couldn't change / I was lost, oh yeah / I was lost, I was lost / crossed lines I shouldn't have crossed / I was lost, oh yeah".



E agora, a seleção brasileira:

"Mais uma de amor", do Lulu Santos.
Canções como "Mais uma de amor" me fazem acreditar ainda mais em Deus. Só a inspiração divina faria uma criatura compor uma declaração de amor tão bonita – para uma musa, digamos, tão exótica. Encantado por Scarlett Moon, Lulu escreveu e musicou uma declaração tímida e amedrontada. Quantas vezes já fomos cúmplices dos versos "se amanhã não for nada disso / caberá só a mim esquecer / o que eu ganho, o que eu perco / ninguém precisa saber". Assim como fiz com "She'll come back to me", vou ali padecer de amor e já volto.



"Por onde andei", do Nando Reis.
Assim como você, já tive um namoro que acabou repleto de culpa e saudade. No meu caso, "Por onde andei" me massacrou. Eu juro que tremia na base cada vez que eu ouvia o Nando Reis cantarolando "por onde andei? / enquanto você me procurava / será que eu sei? / que você é mesmo / tudo aquilo que me faltava". Sabe o que é mais engraçado? Ainda tremo.






"De tanto amor", do Roberto Carlos.
Como fazer uma lista de canções de mela-cueca sem uma única obra do Rei? Não dá, né? Pois entre "Detalhes", "Eu te amo" e tantas outras pérolas, eu escolho um lado B do Roberto, que faz parte do melhor disco de sua carreira. "De tanto amor" é a canção de despedida verdadeira, aquele adeus que não deixa margem para uma segunda chance. A poesia é curtinha e dá para citar tudo: "ah! eu vim aqui amor só pra me despedir / e as últimas palavras desse nosso amor, você vai ter que ouvir / me perdi de tanto amor, ah, eu enlouqueci / ninguém podia amar assim e eu amei / e devo confessar, aí foi que eu errei / vou te olhar mais uma vez, na hora de dizer adeus / vou chorar mais uma vez quando olhar nos olhos seus, nos olhos seus / a saudade vai chegar e por favor meu bem / me deixe pelo menos só te ver passar / eu nada vou dizer perdoa se eu chorar". Caramba, Rei! Que mulher é essa?


"Ainda gosto dela", do Skank.
"Ainda gosto dela" é uma parceria do Nando Reis e do Samuel Rosa. Nem gosto tanto desta música, mas há um trecho que a credencia a entrar nesta lista: "e eu ainda gosto dela / mas ela já não gosta tanto assim / a porta ainda está aberta / mas da janela já não entra luz / e eu ainda penso nela / mas ela já não pensa mais em mim / eu vou deixar a porta aberta (eu vou) / pra que ela entre e traga a sua luz".





"Você", do Tim Maia.
Meninos e meninas, o crème de la crème, uma cortesia de Sebastião Maia. Do começo sussurrado ao refrão explosivo, "Você" é de arrebentar o coração mais duro, mais insensível. Fico imaginando quantas menininhas rodaram na mão do Tim só de ouvir sua voz cafajeste suplicando "não, não vá embora / não, não vá embora / vou morrer de saudade".






Menção curiosa:
"Se te agarro com outro te mato", do Sidney Magal.

Corno manso é o cacete! Mestre Magal mete bala no clichê e escancara seu amor possessivo e homicida. "Se te agarro com outro / te mato! / te mando algumas flores / e depois escapo".





Menção honrosa
"Garçom", do Reginaldo Rossi.

Não me atrevo a dizer nada. Deixo a letra do Reginaldo representar a frustração e o amor perdido de vez: "e pra matar a tristeza / só mesa de bar / quero tomar todas / vou me embriagar / se eu pegar no sono / me deite no chão!".









19 comentários:

Adriana disse...

vc tá falando sério nessa seleção???rs

Surfista disse...

ADRIANA, pior que sim.

Vulgo Dudu disse...

Genial! Muito bom e sincero o seu playlist, Dougra! E "Careless Whisper" já virou sua marca registrada. Aquele arranjo de sax foi feito sob medida para você!

Abs!

Surfista disse...

VULGO, sou um canastrão, né?

iso disse...

Adorei a sua seleção roedeira!
Bjs.

JUJUbildes disse...

Doug,
Genial a sua lista! Me permita citar uma música que tem a ver bastante com umas das minhas fossas: Outra Vez, do Rei.
"Esqueci de tentar te esquecer/
Resolvi te querer por querer/
Decidi te lembrar quantas vezes eu tenha vontade/ Sem nada perder... Das lembranças que eu trago na vida/ Você é a saudade que eu gosto de ter/ Só assim sinto você bem perto de mim/ Outra vez"
Vai amar assim quem não te quer, viu??! E ser masoquista! Putz! Rs... Mas atire a primeira pedra quem nunca sentiu isso!...
Beijocas!

JUJUbildes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Truculenta disse...

hahahahaha
AMEI, Surfista! E pior (ou melhor) eu gosto de quase todas dessa sua seleção.
E vc fez bem em lembrar do Reginaldo Rossi... essa sim é a música oficial de uma boa fossa! "Se eu pegar no sono, me deite no chão!" - Só estando MTO na merda vc vai pedir isso. hahaha

:D
bjones

Dudu disse...

Muito boa a sua seleção! Dá pra ver o sofrimento escorrer de algumas ali... Mas, nada mais catártico do que ouvir essas músicas, levantar da cadeira e ir pra próxima.

Como é bem o tema do meu blog de estimação, vou fazer um post parecido depois

drika disse...

como eu acabei de dizer...
eu pre-ci-so estar apaixonada!
ou feliz ou sofrendo. então, músicas de fossa são minhas companheiras!
adoooro!
um beijo e te cuida!

maria disse...

Dá licença, vou ali chorar e já volto.

Brincadeira... nem sou muito de curtir fossa ouvindo música (sempre muito barulho aqui dentro) mas descobri uma há pouco tempo chamada "Você pediu e eu já vou daqui" (da época da jovem guarda, gravada pelo Nando Reis) que tem bem a ver com o tipo de fossa que eu curto.

(isso é que é mulher prevenida... já separa a música pra próxima fossa!)

Danfern disse...

PQP !!!!!!

Tava lendo esse teu top 5 com um certo desdém: "só bandas gringas, esse cara não sabe de nada"

E AE VC ME VEM COM MÚSICA DO REI ????

Palmas, palmas, palmas!

Lista de música de fossa sem música do Rei seria impossível ! Mandou muito bem e cada vez mais me alegro de vir aqui...

Não conhecia essa música, a letra é realmente muito boa....

Mas "Outra Vez" pra cortar os pulsos mesmo é na voz da Bethania !!! (é A minha música de dor de cotovelo)

E jesus do céu, que música é essa do Sidney Magal ???? Sensacional !!! Ri horrores!!! To ouvindo agora....uhu !!!


Parabéns pela lista espetacular !!!
:-P

Danfern disse...

ah, sim, e a do Reginaldo Rossi tb foi bem lembrada, essa já teve até sua glória de brega-cult né...

Amanda Hora disse...

Quase fiquei na fossa só de lembrar de algumas músicas hahaah

Bárbara Pereira disse...

Meus Deus, tô chocada. Vc parece ser um cara jovem nos seus textos, mas é um véio na fossa. Como diz uma amiga: tenho medo!

Bota um pouco de sofisticação nesse troço, meu filho. Falta uma música francesa, um jazz...

Boa sorte na sua próxima relação. Pra ouvir isso é melhor não entrar em fossa tão cedo.

Boa sorte!

Surfista disse...

DANFERN, obrigado! Fico feliz por você se sentir "em casa" aqui no humilde cafofo do Surfista Platinado. Seja sempre bem-vinda.

ISO, obrigado!

JUJUBILDES, o Rei sabe cantar as fossas como poucos.

TRUCULENTA, pois é, você levantou a bola e aí já viu. Reginaldo Rossi é o poder!

DUDU, obrigado! Faça a sua lista e me passa o link depois. Manda bala!

DRIKA, concordo com você. A paixão também me inspira - mesmo as platônicas.

MARIA, essa que você citou é tão do baú que nem eu conheço. E olha que eu conheço velharias.

AMANDA, não faça isso. A lista é para rir da nossa própria desgraça.

BÁRBARA, madame, a fossa é brega em essência! Que graça tem curtir aquela dor miserável no cotovelo ao som do Stan Getz? Ou do Charles Aznavour? É sofisticação demais para a boa e velha saudade da pessoa amada (que não te ama mais). A boa fossa é aquela que o Nazareth canta e que o Rei ministra com propriedade. Que bom te ver por aqui de novo. Beijo!

Dudu disse...

Fiz a lista, e gostei da idéia de fazer uma de brazucas e outra de gringos. Depois dá uma olhada (aqui)

Mulherzinha Sim! disse...

Com excessão de Sidney e Rossi, acabei de concluir que estou em estado terminal de fossa. Gosto de todas as músicas.

Jongleuse disse...

Não conseguiria curtir fossa com a Negra Li (ou Lee? não sei) fazendo "uhhh" no fundo. Fossa ao som do skank eu deixo pra Balada do amor inabalável ou Amores imperfeitos...