quinta-feira, 2 de julho de 2009

Boa de briga

Era uma vez, Antenor, o cavalheiro, e Geraldo, o oportunista...

Tudo começou em uma festa agropecuária em alguma cidade do interior, daquelas em que a população triplica durante o evento. Nesse tipo de ambiente, você tem duas certezas: alguma confusão vai rolar e os banheiros químicos vão ficar imundos.

Salvo algumas exceções, essa é uma máxima.

Enquanto um "Bruno-e-Marrone" da vida cantava a dor de ser corno, um casal decidiu lavar trouxas e trouxas de roupa suja em público. Ele xingava de um lado. Ela xingava do outro. Naturalmente, o clima ficou tenso e todos que passavam por perto sentiam que aquilo não iria prestar.

- Você é uma ingrata, uma babaca e uma... - o moço nem completou a lista de adjetivos. Ele engoliu o que sobrou do insulto com um diretaço na boca. O punho pequeno da menina se tornou um soco justo e técnico com a precisão de Bruce Lee. Surpreso, ele agarrou o pescoço da menina e armou o contra-ataque na mesma moeda.

Com o golpe engatilhado, o rapaz sentiu o braço ser agarrado pelo Antenor, o herói apresentado na primeira linha.

- Calma aí, cara. Não bate na menina - alertou Antenor, que estava com outros amigos. A tropa fez um cerco ao redor do sujeito, que, inibido, baixou o punho e tentou argumentar:

- Vocês viram o que essa cretina fez comigo, ? - o grupo batia boca e a moça bufava de raiva. Ela não dizia mais nada. Só incinerava a todos com os olhos que faiscavam ódio. Enquanto a turma-do-deixa-disso tentava acalmar os ânimos, Geraldo, já turbinado por algumas doses de aguardente na cabeça, sentiu que havia uma brecha para um approach.

- Fica nervosa, não, gata. Ele não vai encostar um dedo em você. Eu não vou deixar - em poucos movimentos ele já estava com o braço esquerdo ao redor dos ombros dela.

E foi se chegando. E foi se querendo...

- Você merece um cara que te respeite, que te dê carinho, que te entenda, que te...

CATAPLAFT!

Outro soco.

Geraldo recuou três passos, enquanto tentava recuperar o equilíbrio. Voltou a si e procurou o tal namorado, aquele que tomou a primeira bordoada.

- Acerta a cara dessa vaca ou eu acerto. Anda! - berrou com a mão no olho que começava a ficar roxo.

QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?

Amiguinho, preciso dar o braço a torcer e concordar com as suas duas conclusões sobre as festas agropecuárias: "alguma confusão vai rolar e os banheiros químicos vão ficar imundos". Faz tempo que folia no interior perdeu a inocência e virou, praticamente, sinônimo de micareta. Junte uma cacetada de homens de fora, umas poucas mulheres nativas, muita cachaça de boa qualidade e milhões de decibéis de Vitor e Léo, e o que você vai ter? Pois é, um barril de pólvora em potencial. Aliás, essa situação está toda errada. O que leva um casal a se estapear em praça pública? Como um dos seus amigos aborda uma garota transtornada? Que pessoas estranhas, hein? Amiguinho, estimule práticas de sustentabilidade com o papai, a mamãe e as sua professora. Você não sabe o que é sustentabilidade? Coloca no Google, seu alienado. Até a próxima!!!

13 comentários:

Lui disse...

Nesse tipo de ambiente, você têm duas certezas: alguma confusão vai rolar e os banheiros químicos vão ficar imundos. [2]

Mulherzinha Sim! disse...

Surfista, obrigada pela visita.

Quanto aos seus comentários, meu trabalho está me consumindo demais, mas estou muito feliz! Com exceção das fofocas e da competição no mau sentido, era o emprego que eu pedi a Deus!

Algumas pessoas entenderam no último post que fui eu que casei com o gringo. Como você colocou um "parabéns" no fim do comentário, por via das dúvidas, aviso que continuo solteira, blogueira e morando no Brasil. rs

Bjo

Ingrid disse...

Ah, mas se algum dia homem vier bater boca comigo em público também vai ver o que aprendo nas aulas de Body Combat!

Danfern disse...

Uma vez barraqueira, sempre barraqueira !!!! rs

Lucena Filho disse...

De homens e mulheres brucutus, essa aldeia de Macunaíma tá lotada. Pobre povo.

Surfista disse...

"De homens e mulheres brucutus, essa aldeia de Macunaíma tá lotada. Pobre povo."

Sensacional!!!

Vulgo Dudu disse...

Só fico me lembrando daquela moça brasileira que apagou um repórter com um mata-leão...

Abs!

Pedro Favaro disse...

baixaria, uh, uh baixaria!

péssimo, né?!

Pedro Favaro disse...

baixaria, uh, uh baixaria!

péssimo, né?!

Palavra de Mulher disse...

Isso é a política do pão e circo. rs.

Dudu disse...

Pro grand finale, só faltou a menina fazer as pazes com o cara :D

Surfista disse...

Maldito bloqueio! Ando sem inspiração nenhuma. Preciso tomar um pe-na-bunda para abrir as portas da percepção.

Dudu disse...

...ou então ficar solteiro por mais tempo, vagando pela 'náite' carioca

O bloqueio até vai embora, mas aí vc fica sem tempo pra escrever :)