sábado, 19 de fevereiro de 2011

Quatro meses


No comecinho de fevereiro, completei quatro meses de Dublin. O inglês está melhor, não passo mais tantos perrengues no dia a dia e já me acostumei com o sotaque Irish. Neste período, já deu para constatar alguns aspectos locais. Saca só:

1. É fascinante morar em um país onde a polícia não usa armas de fogo. Os guardas usam sprays e eletrodos. Eles são loucos? Irresponsáveis? Despreparados? Não. É porque o índice de assalto à mão armada em Dublin é zero.

2. Drogas existem, mas não a Irlanda não tem o Comando Vermelho ou o Fernandinho Beira-Mar. Algumas bocas são conhecidas e alguns bairros são um pouco mais perigosos, mas nada alarmante.

3. O sistema de ônibus dublinense ainda me irrita. Se você perde um ônibus, precisa esperar mais 20 minutos, mais ou menos. Se precisar ir ao bairro ao lado, tem que pegar uma condução ao Centro e só depois pegar outro para o seu destino. As linhas só atendem trajetos que vão ao centro. Às 11 da noite, os ônibus ficam raros. Depois da meia-noite, só táxi.

4. Outro lance irritante é ter que avisar ao motorista do ônibus qual o seu destino e só assim saber o valor da passagem. Vem cá, e seu mudar de ideia no meio do caminho? E seu eu não souber o nome da rua para onde vou? Fala sério!

5. Por outro lado, o Luas (um tipo de metrô de superfície) e o Dart (trem) são ótimos: confortáveis, rápidos e seguros. O único problema é a questão do horário, que padece do mesmo mal dos ônibus.

6. O povo brasileiro é hospitaleiro, simpático, acolhedor, trabalhador, descolado e duro na queda. De verdade! Mas por que não pode ser educado como os gringos europeus? Meus conterrâneos me desapontam na questão de respeitar as pessoas, independentes das classes sociais. Por que temos que levar "vantagem" em tudo?

7. Lembra que eu mencionei que o povo irlandês bebe muito? Pois é, a moçada bebe mesmo. Quanto mais velho, mais bebem. As meninas também entornam. Não é novidade encontrar mocinhas com os quatro pneus para cima nas ruas do Centro da Dublin. O povo bebe "de com força". Um das razões do potencial manguaceiro do irlandês é a qualidade da cerveja. Cacete, a Guinness é sensacional! Que cerveja gostosa, cara! E você ainda pode optar pela Heineken, Carlsberg, Coors, Beamish, Smithwicks, Murphy's, Foster... O que mata é o preço da pint (copo de 500ml). No barato, você desembolsa 4 euros, o que dá uns 10 reais por copo. Facada, maluco!

8. "Tudo bem?" é universal. Você pergunta e a pessoa responde "sim", mesmo que não esteja bem. Os irlandeses preferem uma resposta menos otimista. "Tudo bem?", você pergunta. "Não tão mal" ("Not too bad"), eles replicam. Chega a ser engraçado. Pouco tempo depois, descobri que esta resposta é comum em todo o Reino Unido.

9. Em Dublin, conheci brasileiros de todos os tipos: gente que foi tentar a vida na Europa, estudantes e até imigrantes ilegais. Conheci um mineiro que está há dois anos na Irlanda e diz que só volta quando tiver dinheiro para comprar a sua casinha perto de BH. Também encontrei um garotão que entrou como estudante de inglês, mas declara que jamais pisou em uma aula. Ele está há 7 meses de férias, curtindo e viajando com o papai pagando a conta.

10. A Irlanda está numa pindaíba lascada. Já escrevi sobre isso, mas é bom reforçar. A economia local está se reerguendo e este processo leva tempo. Enquanto isso, o povo vai sofrendo com cortes de benefícios, queda nos salários e incertezas. Para você ter uma ideia do perrengue, em janeiro de 2011, cinco ministros e o Primeiro-Ministro (o cara que manda no país) pediram o boné. Infelizmente, a simpática Ilha Esmeralda é uma nau sem rumo.


QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, análise de listas estão fora do meu job description. Vou aguardar um texto decente e depois comento. Inté!!!



5 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Alguns dos itens citados parte integrante de minha "wish list". Pessoas educadas e falta de violência, principalmente. E o frio, não citado. Além do óbvio aperfeiçoamento do Inglês.

O sistema de transporte público parece ser problema no mundo todo, então é nulo. Em BH - onde meu pai mora - o sistema de bus é assim também. Vai apra o centro, e depois para onde quiser.

O mais importante é que, pelo que parece, seus quatro meses foram pontuados por mais momentos bons do que ruim. Então está tudo certo.

Abraço

Surfista disse...

SANDRO, o frio é tão presente que esqueci de citá-lo. Bem lembrado. Basicamente, a questão do transporte público é a única coisa que me irrita. No mais, tudo é sensacional.

Nadja G. disse...

Que delicia! Morar fora é toda uma experiência. É muito legal reparar nesses habitos logo no comecinho, e vc vai ver que mesmo quando faz tempo que vc ta no lugar, vc continua aprendendo palavras, costumes, etc. Eu que o diga, com 8 anos de Argentina...

Boa sorte ai!

Beijo

Beto disse...

mais um texto excelente! gostei e concordo com todos os itens. principalmente no item 6... agora vamos tomar um cerveja juntos para vc me contar mais coisas!

Sergio Peixoto Junior disse...

Camarada, estive em Dublin este ano pela priemira vez e amei a cidade, o povo, os pubs e as pints... De volta ao Brasil, nem reclamo de pagar 9 pilas numa lata de Guinness de vez em quando... Melhor q os qse 20,00 de uma pint nos fake irish pubs daqui.. Mas o que está me deixando maluco é nao encontrar as deliciosas Smithwicks e Caledonia por aqui! Alguém aí sabe onde encontro no Brasil, se é que existe? De preferência nos arredores de Sampa... Abç e Sláinte!