quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A aldeia global do Papai Smurf #11

Papai Smurf está feliz da vida. Em uma semana, viu quatro filmes legais e ouviu um disco inédito muito bom. Curiosamente, foram histórias de espionagem (um personagem clássico e um novo que, tenho certeza, entrará para a antologia do cinema de ação) e um CD de uma banda veterana. Nada mais justo que fazer recomendações aos amáveis leitores do Surfista. Espero que gostem.


NA TELONA: A avaliação sobre o novo 007 rendeu um texto lá no Caixa Preta, site no qual costumo mandar umas linhas, de vez em quando. Caso você não tenha lido, o resumo da ópera é que o James Bond encarnado pelo Daniel Craig reflete um desejo da mulher moderna pelo homem mais bruto, mais rústico. A mulherada está de saco cheio dos Beckhams da vida. Enfim, em "Quantum of Solace", os roteiristas continuam em busca da humanidade perdida do agente 007. Pela primeira vez, um filme da série continua a história anterior (exatamente do ponto em que parou "Casino Royale"). Isso já seria uma grande novidade, mas "Quantum" ainda tem três características próprias que valorizam sua cotação: Craig não diz "meu nome é Bond, James Bond", a bondgirl não vai para a cama dele e o termo "007" é usado apenas uma vez. Ao longo da história, o agente é chamado de Bond, ou, simplesmente, James. A trama segue os moldes de sempre, ou seja, 007-percorre-os-continentes-para-salvar-o-mundo-de-um-vilão-nefasto. Nada de mais. O que se sobressai é a forma insensível como ele se porta. James Bond encontra na sua nova missão uma forma de se punir e punir todos que o fizeram sofrer no passado. A "M" de Judi Dench está brilhante e confirma o ar maternal da comandante. Smurf Robusto afirma que vale o ingresso. Smurfette acha que é movimentado até demais.

NA TELINHA: Na onda do 007, não há como não falar do agente que realmente revolucionou o cinema de ação dos anos 2000. A trilogia de Jason Bourne (reparou nas iniciais?) ganhou uma caixa com os três filmes e uma cacetada de extras. Aliás, são títulos como estes que dão alguma dignidade ao cinema de correria. Bom, caso você não conheça a trama, os três longas contam a história do desmemoriado Jason Bourne, que é resgatado no meio do Mar Mediterrâneo e se vê perseguido por uma horda de assassinos profissionais. De rato sem lembranças, ele se torna o gato e passa a caçar os crápulas que querem vê-lo comendo grama pela raiz. Além de carismático, Matt Damon é um ator competente e dá credibilidade ao personagem. O roteiro é inteligente e amarradinho com a direção sempre coerente e sem presepadas. As cenas de perseguição são alucinantes e extremamente divertidas. Veja e depois me diga se você também não acha que o sucesso de Jason Bourne criaram a essência do novo James Bond. Smurf Gênio curte filmes de espionagem, mas prefere "O Falcão Maltês" ou o 007 dos tempos da Guerra Fria.

NA VITROLA: Sempre tenho medo dos novos discos das minhas bandas favoritas. Sinto uma apreensão danada, pois acho que podem jogar uma história de bons álbuns pela janela. O AC/DC não lançava um CD há anos e o tal do "Black Ice" chegou cercado de expectativas. Até aí, nada de surpreendente, pois até o Roupa Nova tem um séquito. Com um pé atrás, comprei o disco (sim, sou antiquado e ainda compro discos. Gosto da embalagem, da bolachinha original... essas babaquices, sabe?). Logo na primeira faixa, o alívio. "Rock'n'roll train" é sensacional. Brian Johson já não tem o vigor dos tempos de "Back in Black", mas manda bem. A guitarra incendiária de Angus Young não mudou absolutamente nada. O cara continua um monstro. "Black Ice" é um discaço!!! Rock sem firulas, sem nu-metals, sem tatuados de bonés, sem DJ, sem apelação... nada! Só cinco coroas descascando uma barulheira fenomenal. A aldeia toda curtiu e a só se ouve AC/DC na floresta. Smurf Poeta deixou de ouvir Chico Buarque e também entrou na onda!

12 comentários:

Edu Starling disse...

Quantum of Solace é um filmaço! E achei uma ótima sacada fazerem dele uma continuação direta do Cassino Royale. A única questão que fica pra mim é: deviam mudar o nome do agente, ao invés só de 'esconder'. Sei lá, diz que o 007 agora é o Tony Clifton (ia ficar estranho: my name is Clifton, Tony Clifton), sei lá. Mas definitivamente esse 007 NÃO É James Bond. O que não é necessariamente ruim, é apenas diferente.

Trilogia Bourne eu fico devendo, só vi o 1o filme. Mas to na pilha de ver os 2 últimos.

E essa dica do AC/DC eu vou correr atrás pra ouvir. Me amarro no som dos caras.

Muleka disse...

boas dicas ;)
bjs

maria disse...

Ainda não consegui ver o 007 - ora sem tempo, ora sem disposição. Tomara semana que vem ainda estar em cartaz por aqui. Como o Star, eu também só vi o filme 1 da trilogia Bourne. Mas pra ver esses filmes meu TDA tem que estar em baixa. E eu já me mandaram algumas coisas desse novo do AC/DC. Inclusive um tal clipe no excel(!), que ainda não abri, nem sei do que se trata pra falar a verdade, mas assim que eu me entender com a coisa, e se valer a pena, eu mando pra vc.

Robs... disse...

Fala meu amigo galáctico, tudo beleza?

Boas dicas, o AC/DC é fantástico mesmo, mas ainda não ouvi...vou na sua dica hein!

abcs

PS:Tá rolando uma enquete sobre o mundo que adoramos, o mundo feminino! rs...Inclusive vai remeter muito a seu comentário sobre o James Bond e a mulherada!Da uma passada por lá, fique a vontade como sempre para comentar e se quiser indicar a suas leitoras ficarei honrado! rs.

abraços meu amigo

drika disse...

não sei pq, 007 nunca me chamou muita atenção.
mas a trilogia bourne fiz questão de ir ao cinema. ótima recomendação!
beijos.

Anônimo disse...

Oi Surfista
Eu ainda não vi esse filme. Pelos comentários também tive a impressão de que resolveram ressaltar aspectos diferentes do personagem, desta vez.
O Pierce Brosnan passava a imagem de um cara elegante e refinado. O Daniel Craig já é um cara mais grosseiro, perigoso mesmo.
Talvez o 007 imaginado pelo Ian Fleming seja uma mistura disso tudo. De todo jeito, pra quem gosta de filmes de ação 007 sempre é um prato cheio.
Bjs
Lyla

Pedro Favaro disse...

007 é foda mas com certeza o personagem que o Daniel Craig faz não é o mesmo que o Sean Conery popularizou

Pedro Favaro disse...

007 é foda mas com certeza o personagem que o Daniel Craig faz não é o mesmo que o Sean Conery popularizou

drika disse...

me inspirei nas suas listas e fiz um post de top filmes.
=)

Calcinha combinando... disse...

O Pedro falou e disse: Sean Connery é imbatível!!!!!!!!!
Bjuuuuuuuuuuuuus

Surfista disse...

STARLING, veja a Trilogia Bourne completa e ouça "Black Ice".

MULEKA, obrigado!

MARIA, a saga do Jason Bourne é excelente! Separe uma tarde de sábado, faça pipoca e manda bala!

ROBS, se você gosta do AC/DC, vai na fé. Você vai curtir. Li o seu post, mas não comentei. Ficou muito instrutivo.

DRIKA, sempre gostei do 007. Esse novo ficou muito emblemático. Vou conferir a sua lista!

LYLA, mais que filmes de ação, 007 é o retrato do herói mítico contemporâneo. Nossa, falei que nem um professor de antropologia. E olha que nem bebi nada.

PEDRO e CALCINHA, Sean Connery foi o melhor 007, mas eram outros tempos. O modelo de espião da Guerra Fria não se encaixa no mundo pós-11 de Setembro.

Muleka disse...

Surfista preciso da sua opinião como HOMEM!!!

Leia meu último post com o título: “Qual seria a sua atitude numa situação dessas:” e me dê por favor uma resposta que clareie???

Beijos e bom fds!!! *)