sexta-feira, 5 de março de 2010

A lição dos discos velhos na lixeira

Achei discos velhos na lixeira do meu prédio. Sem qualquer pretensão, eu fui me livrar do lixo de casa e encontrei uma pilha de LPs em um cantinho.

Ah, adoro MP3, iPods e outras gadgets modernosas, mas sou do tempo do LP, da fita K7 no walkman e da vitrola da turma da Mônica. Fui uma criança dos anos 1980 que tinha discos coloridos com histórias do Alladin, do Macaco Simão e da Branca de Neve, dentre outros. Isso explica porque gosto tanto dos vinis.

Pois bem, os discos estavam lá. Eram uns 40 bolachões empilhados com um certo cuidado que denunciou um vestígio de preocupação do antigo dono. Talvez um fiapo de remorso ou arrependimento. Sem qualquer cerimônia, peguei a pilha e levei para casa.

Eram álbuns do Elton John (em sua fase maneira), Renaissance, Tom Jones, Beatles e alguns de samba da década de 1970. Também encontrei uns trabalhos do ABBA, da Barbra Streisand e do Johnny Mathis, que poderiam voltar para onde os achei. Bom, todos ainda traziam aquele selinho: "disco é cultura" e os carimbos das lojas em que foram comprados. A maioria deles tinha a marca de uma casa de Copacabana que nem existe mais. Aliás, não se encontram mais lojas exclusivas de música hoje em dia. Se você quiser comprar um CD, as opções são uma megalivraria ou as Lojas Americanas ou uma loja online.

Os discos na lixeira me despertaram mais do que momentos de nostalgia musical. Uma coisa leva a outra e pensei em como a vida sempre reserva pequenas surpresas. Como há coisas valorosas perdidas em alguma lixeira ao lado da sua casa, só esperando (ou torcendo) para serem descobertas.

Vamos lá, pegue o exemplo dos discos na minha lixeira e faça metáforas para tudo mais: trabalho, relacionamentos, oportunidades e até aquela roupa que custava uma fortuna no Natal, mas está em promoção no shopping. É bom acreditar que tudo está em seu devido lugar, aguardando (e torcendo) para ser descoberto. É um tempero esperançoso para os dias conturbados em que vivemos.

QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, que momento bonitinho da sua literatura pilantra. Você não falou de sacanagem nem de mulher. Se acervo da safadeza está em baixa? Enfim, He-Man é didático e vai começar pelo óbvio facinho: ninguém mais compra discos. O lance é fazer o download de uma ou outra música, captou? O segundo ponto é que o reconhecimento das pequenas coisas legais da vida requer uma certa visão. Muitas vezes, a oportunidade está ao seu lado (ao seu amiguinho, não ao lado do Surfista) e está quase te mordendo, mas ainda não foi percebida. A parada é que nós (menos eu, evidentemente) estamos condicionados a ver apenas o que nos interessa naquele exato momento. Todo o resto é superficial, é desnecessário. Não é bem assim. Amiguinho, dar em cima da mulher do outro amiguinho é feio! O mesmo vale para você, amiguinha. Não se faça de desentendida. Até a próxima!!!


PS: Em tempo: como uma pessoa pode jogar fora um disco dos Beatles? Como?


14 comentários:

Mariah disse...

tínhamos vários discos do Ray Connif em casa.
aquele velhinho de cabelo chanel que comandava uma orquestra....quando o disco rodava na vitrola era festa em casa...

tempos de disco...
Saramandaia
ABBA
Elis Regina

ai que saudade...não dos discos...
saudade das festas do meu pai!

Vulgo Dudu disse...

Extremamente bem observado:

"Se você quiser comprar um CD, as opções são uma megalivraria ou as Lojas Americanas ou uma loja online."

Outro fenômeno que emburrefceu a troca de conhecimento é o seguinte: quem vende disco não entende de música, quem vende livro não entende de literatura, quem vende filme não entende de cinema etc. Não existe mais aquele vendedor que lhe dá uma dica valiosa...

Abs!

RUInaldinho disse...

Fala Surfista!

Concordo com o Vulgo Dudu;
e como pode alguém jogar um disco dos Beatles fora, mesmo?
Surfista, baixei uns LPs de Toquinho e Vinicius esses dias, o que você acha?

Abraço!

duda disse...

nada como uma boa música
para o início
de uma ótima tarde

Danfern disse...

"PS: Em tempo: como uma pessoa pode jogar fora um disco dos Beatles? Como?" [823489602]

Mas q PUTA SORTE a tua, hem? Fiquei com inveja...rs

Palpite - eu acho que não foi o(a) dono(a) dos discos que os jogou fora...talvez algum parente, vai q a pessoa morreu ou foi vítima de alguma vingança maligna ?

(eu MATAVA quem jogasse meus guardados fora!)

Contorcionista disse...

Preciosidades no lixo......hum isso tem cara de divórcio! E dos brabos! Só estando muito p...da vida pra jogar LP dos Beatles (só faltou atear fogo!), pois se a pessoa quisesse se desfazer carionhosamente dos LPs ela teria dado para um colecionador, doado para uma biblioteca, vendido num sebo. Enfim, em briga de marido e mulher ninguém mete a colher.

Ruiva disse...

Será que a pessoa virou crente fanática e agora acha que essas músicas são coisas do demo??
Mas, putz, Beatles???? Inveja, Doug. Muita inveja.

Barbara Góes disse...

A primeira coisa que me veio na cabeça quando li foi: " Po, jogar Beatles no lixo.." =/

Adorei o post. Até me inspirei pra comentar! O áudio de discos de vinil me levam à minha infância quando brincava de locutora de rádio e dava meus primeiros passos no jornalismo. ( Não preciso comentar da parte que eu imitava xuxa, né? Isso é treinamento pra ser louca.. hahaha - coisa que aprendi muito bem, cof cof.!)

E tu, parabéns pelo tesouro que achou!

=*

Barbara Góes disse...

A primeira coisa que me veio na cabeça quando li foi: " Po, jogar Beatles no lixo.." =/

Adorei o post. Até me inspirei pra comentar! O áudio de discos de vinil me levam à minha infância quando brincava de locutora de rádio e dava meus primeiros passos no jornalismo. ( Não preciso comentar da parte que eu imitava xuxa, né? Isso é treinamento pra ser louca.. hahaha - coisa que aprendi muito bem, cof cof.!)

E tu, parabéns pelo tesouro que achou!

=*

Surfista disse...

A parte irônica disso tudo é que tenho os discos e não tenho uma vitrola. Alguém tem uma vitrola para me doar?

MARIAH, clássico Ray Connif. No tempo dos vinis, até as trilhas de novelas eram mais elaboradas.

VULGO, acabou o romantismo das lojas de discos.

RUINALDINHO, Toquino e Vinícius formaram uma dupla afiada. Cada disco gravado consumiu metade do PIB escocês em destilados.

DUDA, obrigado!

DANFERN, ainda estou investigando a origens dos LPs. Quando souber, eu te conto.

CONTORCIONISTA, que bom saber que a lojinha está aberta. Sua hipótese é pertinente.

RUIVA, quem sabe?

BÁRBARA, obrigado! LPs despertam essas lembranças na galera com mais de 26 anos. Gosto muito.

Clarissa Donda disse...

Olááá, Surfista!

Quanto tempo!! Saudações Rubro negras!

Nossa, só vi teu comentário agora... Meu blog tem andado às traças ultimamente!

Saí da fisio tb, e o ombro está ótimo agora! Já estou malhando, já até fiz escalada... Pratically brand new!

E vc? Como anda o joelho?

O seu blog é divertidíssimo, parabéns, aliás...! Já indiquei para várias pessoas - não sei por que, mas identifiquei nelas várias sem-noçãozices relatadas com muita propriedade no seu blog!

Bjão,
Cla (dondeandoporai)

Camille disse...

Que sorte!...
E, que azar!
Faltou a vitrola então?
É uma pena...mas só de tê-los encontrado, foi como encontrar um tesouro perdido...
Escreva mais, Surfista!
Bom domingo!

Mulherzinha Sim! disse...

Também pensei a mesma coisa: Como alguém joga fora um disco dos Beatles? Eu guardaria como uma relíquia!

O tema abordado no post foi muito bom! Me fez pensar também que muitas coisas não possuem nenhuma utilidade para nós. Porém, para outra pode ser algo muito valioso. E isso também é válido nos relacionamentos... Às vezes, nós nos envolvemos com uma pessoa, e em um determinado período, aquilo não dá mais certo (porque teve uma razão). Mas esse mesmo alguém pode encaixar perfeitamente com um outro par e ter um relacionamento lindo, de anos.

www.mulherzinhasim.blogspot.com
www.formspring.me/mulherzinha

Dudu disse...

Li essa atrasadão, e acredito que vc ainda deva estar indignado com alguém que joga fora um disco dos Beatles. Eu estaria :)