terça-feira, 23 de março de 2010

Tudo é uma questão de ponto de vista

Uma questão de pontos de vista pode gerar uma crise maior que o corte dos royalties do Rio de Janeiro. Visualize a cena e depois me fala:

Jovem casal dentro um carro parado sob um sol de derreter chumbo. Três cachorros latindo desesperadamente no banco de trás. O alarme do carro berrando como se fossem as cornetas do fim dos tempos.

ELA: Meu Deus do céu, cadê o chaveiro com o dispositivo do alarme?

Procura aqui. Procura ali. Nada do chaveiro. Alarme enlouquecedor e a cachorrada, que não estava nem aí, completavam a orquestra.

ELE: Ficou no apartamento. Eu vou pegar.

Versão dele:

Dei um pique digno de medalha olímpica. Tipo Usain Bolt, sacou? Em poucos segundos, eu estava no portão do prédio. O porteiro percebeu a tensão do momento e abriu o portão. Explodi em mais uma corrida e imediatamente senti a camisa empapar em suor. Foi só um pouquinho. Não esperei o elevador. Aproveitei o ritmo alucinante da corrida e venci quatro lances de escadas com uma velocidade que jamais imaginei. Cheguei ao apartamento voando e com o coração na garganta, mas inteirão. Encontrei o chaveiro e aproveitei a viagem para pegar uma camiseta extra, pois a minha estava encharcada. Como para baixo todo santo ajuda, mantive a pegada e desci sem perder o gás. Cheguei ao carro e desliguei o alarme.

ELE: Uffffffa... pronto... missão cumprida... eu demorei muito?

ELA: Amorzinho, porque você não foi correndo?

Versão dela:

Ele saiu do carro e deu um pique de 5, talvez uns 10 metros. Achei que ele fosse desmaiar. Antes de chegar ao portão do prédio, ele foi trotando. O porteiro percebeu o drama e abriu o portão logo. Graças a Deus. Ele diminuiu o ritmo do trote até chegar ao prédio e logo vi que ele estava com a camisa nova banhada em suor. Acho que vou imprimir a tal dieta dos pontos e colocar na porta da geladeira. Tomara que ele espere o elevador.

15 minutos depois...

Ai, caceta, ele enfartou no apartamento. Vou ligar para ver se está tudo bem. Ih, é ele ali saindo do prédio. Ufa, tá se arrastando, mas tá vivo. Que alívio! E não esqueceu o chaveiro. Ainda bem!

ELE: Uffffff... pronto.... arffffff... missão cumprida... arfff, arffr... glup... eu demorei muito?

ELA: Amorzinho, porque você não foi correndo?

...

Bom, o casal continua unido. Depois dessa, acho que viveram juntos para todo o sempre. Amém

QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, a vida a dois tem como alicerce a superação de muitos desafios. Um deles é a falta de noção que vem à tiracolo da intimidade. Então, a lição do onisciente He-Man é simples que nem o soro caseiro (aquele da colher de sal e de açúcar, lembra?). Bom, para atravessar as turbulências do dia a dia, tenha sempre uma dose sobressalente de tolerância e de muita compreensão. O caso contado é uma prova disso. Amiguinho, apenas force a barra nos exercícios físicos após um condicionamento ideal. Até a próxima!!!

4 comentários:

RUInaldinho disse...

Por que mulher adora sacanear o marido/noivo/namorado quando este comemora um feito "atlético"? Kkkkkkkkkkkkkk

Abraço, Surfista!

Contorcionista disse...

Vc apurou se ela estava na TPM? Isso muda todo o referencial......
Obrigada pela visita no blog!

Surfista disse...

RUINALDINHO, as moças têm por hábito sacanear seus respectivos - e vice-versa. Faz parte do jogo.

CONTORCIONISTA, até onde sei, ela estava fora do "período", mas vou checar.

Nossa, isso aqui anda tão movimentado quanto uma loja da H. Stern no interior da Amazônia. O que está rolando?

jusandres disse...

hahahaha.. pior que é assim mesmo!!
Bom, só posso falar da versão feminina... rsrs
Mas agora acho que vou olhar com mais carinho para a outra versão.. =P