sexta-feira, 18 de abril de 2008

Pausa para respirar

Quando nossos netos e bisnetos abrirem seus livros de história (será que ainda existirão livros?), provavelmente nosso tempo será conhecido como a era da comunicação ou da informação. Com tantas ferramentas para transmitir e receber mensagens, imagina o drama de quem se complica com a mais básica, a mais primária forma de dar um recado: a voz. Mais exatamente, pensa no perrengue do cidadão gago.

O bom Leopoldo é um funcionário lá da construção onde trabalho e sofre de um problema crônico de gagueira. Tentando deixar claro, Leopoldo é bem gago. Não, não. Leopoldo é muito gago. Descrição insuficiente. Leopoldo é gago pra cacete. Putz, ainda não consegui dimensionar o problema, mas vá lá. Acho que você compreendeu. O mais engraçado que é um pane psicológico. Quando está entre os colegas ele fala que é uma beleza. Mas, meu amigo, quando ele tem que dizer qualquer coisa para mim ou para algum outro membro da equipe em uma posição um pouquinho acima, está consolidado o desastre.

- D-d-do-do... doutor – não é obrigação, mas qualquer um que vista camisa social por lá vira doutor. - preciso de mais ci-ci-ci-ci...

Pausa para respirar.

- Ci-ci-ci-ci...

- Cimento, seu Leopoldo?

Se tem uma coisa que gago odeia é ser completado. Ouvi falar que tem que deixar o sujeito concluir sua frase naturalmente, por mais que dure uma vida.

- Sim, sim, issssssss... ssssss...

Pausa para respirar.

- Isso mesmo, do-do-do-do-do-do-do-doutor.

- Quantos sacos, seu Leopoldo?

Putz, danou-se! Vai que são sessenta e seis sacos? Seu Leopoldo vai ter um troço!

Antes de ele começar a (tentar) falar, eu lhe dei um caneta e um papel.

- Anota qui para deixar registrado.

Com o tempo, eu procurei inventar mecanismos para otimizar o processo.

- Seu Leopoldo, o senhor já tentou falar cantando? Li que é um tratamento eficaz.

Ô idéia infeliz.

- Doooooutooooooooor, preeeeeeeeeciiiiiiiiisooooooooooo deeeeeee.... deeeeee... deeee... areeeeeeeeeiiiiiaaaaaa laaaaavaaaaaaaaaadaaaaaa.

Pausa para respirar.

Ai,meu Deus do céu! Seu Leopoldo virou a Dory falando baleiês! Lembra da Dory, de "Procurando Nemo"? Genial!

Tentei uma nova idéia. De uma hora para outra, eu virei fonoaudiólogo pós-graduado em Oxford.

- Seu Leopoldo, experimente falar pausadamente. Pronuncie sílaba por sílaba.

Ele prometeu seguir minha dica e voltou no dia seguinte.

- Dou... – intervalo de cinco segundos – tor... – outro intervalo – A... – mais um – ca... – de novo – bou... – idem – a pe... – silêncio – dra... – vou morrer – ze... – vou morrer lentamente – ro.

Oh, cale-se, cale-se cale-se. Você me deixa louco!

- Entendi. Vou providenciar uma nova remessa. Ah, seu Leopoldo, esquece essa idéia de pontuar as sílabas. Fica à vontade para falar.

Assim é o meu dia-a-dia com o Leopoldo. Mas, a situação mais lembrada e esporrante foi em cima da laje, diante da Baía da Guanabara. Passou-se com outros integrantes da equipe e é tão absurda que parece piada. Se bobear, é até piada mesmo e fui ludibriado para escrevê-la por aqui, mas diante do caso faz sentido.

Célio, amigo do trabalho, estava fazendo sei lá o quê no terraço e foi chamado pelo nosso protagonista gaguinho.

- D-d-d-d-do-do-doutor... olha o ssssssssssss... ssssssss... su-su-su-su-su...

Pausa para respirar.

No mesmo instante, ele percebeu aquele submarino que costumava ficar ancorado no cais do porto. Dessa vez, estava cruzando o mar a todo vapor. Célio achou que seria frustrante para o Leopoldo que sua animação fosse cortada. Como todos estavam com tempo, deixou rolar.

- O que, Seu Leopoldo?

- Sssssssssssss... ssssssss... sssssssssssss... su-su-su-su-su... su-su-su-su...

Pausa para respirar.

- O que, homem? – aí que ele ficava nervoso, tremia e suava.

- O su-su-su-su-su... su-su-su-su... sssssssssss... sssu-su-su...

Pausa para respirar.

- Su-su-su... sumiu.



QUAL A MORA DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, a tal história do submarino deve ser piada mesmo, mas vou te perdoar por três motivos: você é ingênuo, ela está no contexto do Seu Leopoldo e, com boa vontade, é engraçada. Enfim, a lição que você deve aprender é que gagos odeiam leigos com aulas de fonoaudiologia. Se eles quiserem tratamento, pode estar certo que recorrerão a um profissional e não a um teórico com idéias baseadas em lendas populares. Sacou? Cá entre nós, falar cantando para resolver a gagueira é muito estúpido. Você me envergonha, amiguinho. Bom, a outra lição do dia é: seja honesto quando você estiver brincando com seus coleguinhas. Ninguém gosta de trapaceiros. Bom feriado e até a próxima!




26 comentários:

Dani Amorim disse...

haUHAUauhAUHhauHAU
Ain gente, eu tive um namorado gago!!! É mto sutil, mas as vezes dava uma impaciencia...
*Minha irma foi tirar duvidas de calculo com ele e nao se conteve, ficava completando direto. hahaa
*Ele tinha um apelido na epoca de escola de Jaje. Pq? "Qual eh seu nome?". "Jajefferson". Claro q fingia nao saber...
*Dia desses eu tava de carona c um amigo q nao o conhece, e o cd estava arranhado, ai ele: "Acho q esse CD eh do Jaje. Gago deve dar uma arranhadinha nos cds p conseguir acompanhar, ne? Se nao a musica acaba antes"
ahuHAUauAUHauhUAHuahUHAUhauHAU
*minha irma (a mesma da duvida) fala mto devagar, ai qdo comecei o namoro falou p minha mae: "mae, ela deve estar gostando mesmo dele, pq ela fica mandando eu falar mais rapido e arruma logo um namorado gago.
Ai, seis meses assim. Imagina nas conversas-desentendimentos...
(mas era leve, leve mesmo. hahah)

Dzinha disse...

hahahahah
guarda, então. vai que um dia você quer usar....
:p

Anônimo disse...

Boa meu bom.

O Rocky já saiu do Armário?

Abs.

O Noivo

Cíntia disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Y8efsCEWhb0

já deve conhecer...

:)

beijo menino, bom feriado!

carlamorim disse...

Quando a gagueira é sutil, chega até a ser bonitinho. Mas a partir do grau 2... já dá um aperreio grande no juízo!
E aquela história de que gagueira pega?? Eu acredito! Convivi um tempo com uma gaga e de vez em quando eu dava umas travadas kkkk... sério mesmo! rss.
Bjks.

Ricardo disse...

É incrível mesmo a quantidade de besteiras que dizem a respeito da gagueira. Essa que a "carlamorim" disse é uma das mais comuns.

Que fique claro: Isso de pegar gagueira por convívio não existe, minha filha! Só se você for gaga também e não quiser admitir.

Eu, por exemplo, tinha um amigo também gago que vivia tentando disfarçar a gagueira dele e, quando gaguejava, dizia sempre que a culpa era minha. Pura balela dele! Ele era gago também, só que num nível muito mais moderado que o meu, e morria de vergonha de admitir que tinha o problema.

Todo mundo adora atribuir suas falhas aos outros.

Luíza disse...

Talvez um novo gadget recentemente lançado no Brasil possa ajudar a reduzir a gagueira do Seu Leopoldo. Chama-se SpeechEasy. Para quem nunca ouviu falar, o site gagueira.org.br tem alguns vídeos que explicam o funcionamento do aparelho. É bem interessante. Por que vocês não fazem uma vaquinha lá na obra para dar um de presente pro seu Leopoldo?

Rosana disse...

Muito útil sua informação, Luíza. Obrigada mesmo. Tenho uma filhinha de 5 aninhos que gagueja desde os 3. Já levei ela a diversos terapeutas, sem muito sucesso. Os próprios terapeutas tendem a ver o distúrbio de uma forma muito preconceituosa. Na maioria das vezes, eles acreditam que a criança gagueja porque é nervosa, ansiosa ou tímida. Mas isso não passa de preconceito. Assitindo ao vídeo que você indicou, pode-se ver o quanto essa visão dos terapeutas está errada. Mais uma vez, obrigada pela informação. Com essa nova tecnologia, minha filhinha agora tem uma chance real de crescer livre e de levar uma vida que não seja tão cerceada pela gagueira.

Quisera o senhor Leopoldo tivesse tido a mesma sorte. Melhoras a ele.

iara disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
acordei os vizinhos de tanto rir!
dory falando baleiês.....
e o sssusssususu...kkkkkkkk

no interior da bhaia, de férias, em itacaré eu e o hj ex entramos num restaurante, o garçom foi nos atender...
era gago ...e fanho!
o ssss e...nhor qqqq unh u u nhuuuu..coo ( num sei nem descrever ..ele perguntou o senhor quer um suco...)
kkkkkkkkk
te dou uma profissão errada???

carlamorim disse...

Depois do comentário do Ricardo, fiquei intrigada e consultei um fonoaudiólogo. Fiquei pasma com o diagnóstico.... gagueira crônica em último grau. Puxa, como ninguém nunca tinha me avisado antes?? Obrigada, Ricardo, agora eu sou uma gaga assumida... e me tranquiliza saber que os meus coleguinhas de trabalho não ficarão gagos como eu. Ufa.

Ps.: Querido He-man, agora aprendi a lição.

:-)

Ricardo disse...

Eu bem que desconfiava que você era uma gaga enrustida, carla. Se ainda tiver alguma dúvida e quiser um diagnóstico diferencial, passa aqui em casa pra eu te avaliar.

:-P

Ricardo disse...

E não se preocupe, Carla. Se você começar a gaguejar comigo, pode colocar a culpa em mim. Sei lidar bem com a gagueira e com o sentimento de culpa de ter inoculado em você minha gagueira "contagiosa".

Surfista disse...

Novos visitantes. Que bom! Espero que voltem sempre.

DANI, Jajé-jéferson foi ótimo.
DZINHA, não entendi. Desculpe, estou lento hoje.
NOIVO, vou saír do armário para introduzir o cabide em sua pessoa.
CINTIA, eu já tinha visto. Parece fake, mas valeu a dica.
CARLA, gagueira pega por osmose é novidade pra mim. E He-Man é o cara! Ouça sempre suas palavras e seja feliz.
RICARDO, um expert no assunto. seja bem-vindo! Pois é, todo mundo tem um macete para tratar da gagueira alheia. Seja bem-vinda!
LUIZA, Seu Leopoldo só se cura nascendo de novo. O legal é que sua dica está servindo para ajudar outras pessoas, como a ROSANA. Seja bem-vinda!
ROSANA, sucesso para você e para sua pequerrucha. Vou confessar que tenho momentos de gagueira também, mas em momentos de irritação.
IARA, puz! Gago é aceitável. Gago e fanho é de lascar. Seja bem-vinda! Ah, dei um pulinho no seu blog. Ainda não li seus escritos, mas o título é muito bom.

Dzinha disse...

Ai ai.... meninos... já andam e falam.. não dá pra querer que pensem.
:-p
(desculpa, mas foi inevitável o comentário ae)

então.. "guarda, então. vai que um dia você quer usar...." foi respondendo o seu comentário no meu blog, sobre o vale.

Dzinha disse...

Ah.... dia desses, fuxicando os blogs da vida, li um comentário seu sobre as pessoas acharem que comunicação e história tem a ver.
A razão é que atualmente tem muito jornalista dando uma de historiador. Tudo bem que há várias semelhanças no ofício de ambos, mas cada um deve se colocar no seu lugar. Eu acho.
Historiador é historiador - e tem todo um procedimento pra pesquisar e "revelar" os fatos - e jornalista é jornalista. Uma diferença báaaaaasica dos dois, inclusive, é a proximidade com o acontecido. Diz que pra o historiador ser imparcial, ele tem que ter uma distância do fato (ou seja, eu não poderia escrever sobre coisas da minha geração).
Enfim...... é isso.

Dzinha disse...

mas você tem sido um bom aluno. a tia te da um abraço
;-)

beijos, mocinho. e bom feriadinho de são jorge pra tu!

(e viva a igreja catolica com seus feriados!!)

Surfista disse...

DZINHA, obrigado! O aluno continuará se esforçando. Ah, e o feriado é coisa do governo. O clero não tem bala na agulha para determinar folgas. Bota esse na conta do tio Cesar Maia ou Sergio Cabral...

Anônimo disse...

Imagina um gago falando comigo! Fico louca! Sou toda frenética e o cara fica meditando entre uma sílaba e outra. Sem paciência para isso!
Peço desculpa a tds os gagos, mas façam um tratamento, por favor.
bjs,
Mari

Lorena disse...

Isso é o mais foda de tudo na gagueira: como se já não bastasse a desgraceira que é ter que lutar com o próprio corpo para conseguir falar, ainda tem que aturar gente como a Mari, a Iara e a carlamorim.

Oh suplício!

Negâ disse...

To rindo muito...rsrsrs
Nossa se fosse eu a falar com seu Leopoldo, dava um tapinha nas costas dizem que funciona...kkkkkkkkkk
beijosss

Surfista disse...

MARI, não seja cruel com os gaguinhos.
LORENA, não as leve a mal. Garanto que todas têm um respeito enorme pelos portadores desse problema. Ah, bem-vinda!
NEGÂ, acertou sua vida amorosa? E não seja cruel também.

Anônimo disse...

Lorena,
Acho que vc deveria me conhecer antes de fazer uma crítica destas. Jamais tratei mal um gago, mas desculpa a sinceridade, mas tenho dificuldade em lidar com eles. Claro que se precisar, vou exercitar td o meu lado zen.
Sugiro que vc relaxe no fim de semana. Vai pegar uma praia!

bjs,
Mari

Vulgo Dudu disse...

Parece até piada! Eu ouvi um fonoaudiólogo dizendo que tem muita gente que fica gago de tanto imitá-los. Ou seja, zombar de gagos pode ser uma má idéia.

Abs!

Hugo disse...

Informação importante a todos aqueles que acham que gagueira é emocional, psicológica, coisa de gente ansiosa ou vício que se pega por imitação.

Já existe um exame de neuroimagem capaz de detectar uma base física para o distúrbio. Chama-se “ressonância magnética por vetor de difusão”. Este exame tem mostrado diferenças em uma variável chamada anisotropia fracional na matéria branca do cérebro de pessoas que gaguejam.

Ou seja, a neurologia moderna tem mostrado que a gagueira de fato não é um distúrbio de fundo emocional ou psicológico, como por muito tempo se acreditou.

Para quem estiver interessado em mais informações, recomendo a leitura do artigo abaixo, publicado recentemente na revista Brain (uma das mais importantes do mundo na área de neurologia):

“Structural and functional abnormalities of the motor system in developmental stuttering”

Desculpem a sisudez do comentário. Mas é que achei oportuno compartilhar esta informação. Afinal, o nível de desinformação a respeito da gagueira ainda é muito grande.

Surfista disse...

HUGO, obrigado pela dica. Espero que as pessoas com esse probleminha possam encontrar a ajuda necessária.

Henrique disse...

Para quem quiser ou precisar entender melhor o assunto (o problema é que quase sempre ninguém quer):

Site do Instituto Brasileiro de Fluência

Gagueira no New York Times

Gagueira: um fenômeno mundial

Uma base neurológica para a gagueira

Rompendo o silêncio em torno da gagueira

O que causa a gagueira?