segunda-feira, 16 de junho de 2008

Vem cá, meu cuti-cuti!

Vamos direto ao que interessa: detesto apelidos engraçadinhos. Nem me refiro às sacanagens dos tempos de colégio. Estou mirando naqueles termos que meninas (e meninos) inventam para se dirigir à cara metade. Vou reproduzir um diálogo pimpão entre um casal de amigos muito queridos:

ELE: Oiiiiêêê, bebê.

ELA: Oiiiêêê, meu lindão.

ELE: Cadê o meu bebê?

ELA: Taqui o bebê.

ELE: Ebaaaaaaa!

Entendeu onde quero chegar, né? Então, vamos parar por aqui, antes que eu tenha um colapso por excesso de açúcar no sangue.

Eu até me considero um homem carinhoso, mas nunca me permiti falar que nem uma criança de três anos ou inventar nomezinhos fofuchos. O máximo que tolerei foi a primeira namorada me chamar de "gatinho". Mesmo assim, sem voz de Teletubbie. Na boa, acho constrangedor demais.

Fora os apelidinhos embaraçosos, outra coisa que me dá calafrios é abreviação de uma única sílaba. Peço desculpas aos meus amigos paulistas (pessoas que curto muito), mas limitar o nome a um monossílabo é brabo. E ainda mais no meu caso: "Dô".

Cara, se me chamar de Dô, eu nem respondo. E pior que tenho uma amiga que a-do-ra a sonoridade e me martela com esse apelido. Quer saber? Tirando os óbvios Chris, Bel, Liz ou Gil, o restante é ofensa: Si, Lê, Mi, Dé, Lu, Má, Fê... parece ou não parece um código do exército ou uma partitura musical?

Sou chato mesmo!

Lembrei de outro cenário aterrorizante. Se chamar o namorado por uma alcunha já soa desprezível, imagina quando a moça cisma em arrumar um nome para aquela parte específica do corpo do ser amado. Nada é mais medonho do que batizar o pênis do sujeito.

Já ouvi essa e não foi apenas uma vez. O caso mais crítico foi o de uma certa garota que conheci. Ela chamava o pinto do namorado de Gouveia. Pode uma coisa dessas? Gouveia! Como um pinto pode se impor e ter respeito próprio quando é chamado de Gouveia.

- Amor, hoje eu quero o Gouveia! Quero ele todinho.

- Quem?

Pronto! Acabou o clima.

Ah, o mesmo vale para o playground feminino. E o pior é quando a dona da região de lazer resolve botar nome na área. Já conheci uma menina que chama a sua própria de... Menininha.

- Sabe quem te quer hoje? A minha Menininha.

Se algum inadvertido ouve uma atrocidade dessas, pode chamar a polícia e denunciar crime de pedofilia. Que vexame! No mais, é preciso ter muita concentração para não gargalhar horrores.

Eu lembro dessas coisas e paro para pensar: serei um ogro insensível? Um Shrek que não admite o auge da intimidade verbal que é um apelidinho inofensivo pronunciado por lábios carinhosos e voz de inocência?

Não mesmo. Nem que a vaca tussa. Ser carinhoso (ou carinhosa) é mais que uma virtude, é um diferencial. Eles gostam de ganhar um cafuné. Elas adoram uma massagem e um elogio. Mas, no meu caso, a arte jedi do carinho passa longe de apelidinhos melados.


QUAL A MORAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?

Amiguinho, meu nome não é apenas um monossílabo. São dois! Conta comigo: "He" e "Man". Por isso, você deixa de me respeitar? Duvido. Então, larga de ser turrão e considere a hipótese de ter um apelidinho engraçadinho. Uma vez que a sua dignidade seja preservada (o que não é o caso do dono do "Gouveia"), não há problema. O uso do apelido íntimo deve ter o mesmo efeito das carícias: em público fica feio. E você, amiguinha, tenho um mínimo de noção e não arrume uma alcunha esdrúxula para o seu garotão. E faça uma pesquisa antes. Vai que você inventa o mesmo nomezinho que a ex dele usava. Olha que saia justa, hein? Amiguinho, evite que muito papel se acumule sobre sua mesa. Além de parecer uma zona, você acaba se perdendo.
.

23 comentários:

Anônimo disse...

Passando somente pra dar os parabéns pelo blog...

beijos!!

=)

marcia disse...

Não, vc não é um ogro insensível, esses apelidinhos são horrorosos e quebram o clima!
Mas de abreviar nomes eu gosto, tenho essa mania, acho bonitinho..Mas não dá pra fazer isso com qualquer nome, o seu por exemplo, não combina.

Dudu disse...

Olha, confesso: já tive um relacionamento com apelidinhos bobos e voz 'alterada'. E após o término foi uma tremenda ressaca moral. Hoje felizmente meu relacionamento é na medida: carinhoso sem idiotices.

No entanto, dada a perpetuação desse tipo de prática, eu acho meio forte contra-indicar. Algumas pessoas realmente gostam disso, e se sentem mais íntimas de seus respectivos(as). O lance é, pode inventar a babaquice que for, mas poupe o resto do mundo :)

drika disse...

ñ te acho nenhum ogro, absolutamente!
acho meio ridículo 2 adultos ficarem falando q nem criança, dá nojo! mas, alguns apelidos até valem, tipo baby, mô, essas coisas simples e carinhosas. eu até gosto.
beijos.

Dzinha disse...

ah, Doug... que cruel!! eu acho muito fofo quando meu amigo que me chama de D. aliás, é o mesmo que me batizou de Dzinha, que adoro igualmente.
mas tenho que concordar com você.. algumas coisas são irritantes. e outras, humilhantes. esse papo de bebê pra cá, neném pra lá.. EKAAAAAAAA
Insulina, por favor!!

Beijinhos, Dô. (hihihihihi)

Cíntia disse...

Ai, apelidos...
Uma parte complicada.
O máximo que faço é apelidar e falar com voz de criança com meus... gatos... estes de 4 patas.
Agora, apelido em barbado, ou me auto-apelidar, é estranho.

Mas tenho uma amiga muito sem noção, que telefona (e recebe telefonemas) diários e melosos do namorado... "meu fofinho, te amo muito, meu tudo, meu querido, meu blá blá blá"...

Eu não aguentaria, definitivamente.
Prefiro trocar esses apelidinhos "meigos" por um abraço gostoso ou um carinho...

Doug, faz frio aqui.
Um beijo grande... (em breve, talvez um email)

:)

ah...dizer que gosto de você pode, né?
sem fazer voz de bebê!

Cíntia disse...

Aliás, amigo rubro-negro... Que tal trocar dunga & Cia pelo time da Gávea? Acredito que pelo menos não estaríamos envergonhados do selecionado....

contorcionista disse...

Voz de bebezinho é brochovski, ridículo, soa até pedófilo (credo!).
Gostei do seu blog cara!
Obrigada pela visita no meu blog.
Também sou fã do HTP.
Fui!

www.balzacsemprozac.blogspot.com

Surfista disse...

ANÔNIMA, obrigado. Queria poder lhe agradecer pelo nome, mas você preferiu uma visita sem identificação. Pena. Volta sempre e deixa a timidez do lado de fora do blog. Um beijo.

MARCIA, estou aliviado. A única abreviação que combina com o meu nome é a inglesa: Doug. Descobriram isso na faculdade e vem até hoje. Eu até gosto.

DUDU, "O lance é, pode inventar a babaquice que for, mas poupe o resto do mundo :)". Bravo! Nada a acrescentar.

DRIKA, "mô", menina? Tem certeza? O amor realmente tira as pessoas do seu estado natural. Ah, voz de criança é fogo.

DZINHA, sabia que alguém iria levantar o Dô por aqui. Uma certa Letícia deve estar rindo discretamente, com o ar britânico que lhe é peculiar. Enfim, permita-me ser rabugento com os apelidinhos fofuchos.

CÍNTIA, se auto-apelidar é demais. Imagina arrumar um nomezinho para a sua... bom, você entendeu. No mais, eu concordo contigo: melhor é um abraço. E no frio do Paraná, deve ter resultados inusitados. E pode dizer, sim. Eu gosto de você também, mas não fale no Flamengo. Ainda estou digerindo a piaba tricolor.

CONTORCIONISTA, muito obrigado pela visita e pelo elogio. Vindo de você, teve um valor diferenciado. Volta sempre! Eu te visitarei novamente.

Bibi disse...

Odeio quem fala em tatibitate. Ser carinhosa é uma coisa, falar que nem uma criança é outra.

Jackie disse...

Bem, qto a respeitar o He-Man... foi mal, mas eu sempre achei esse negocio de andar de sunguinha tarzan, dar gritinhos pra chamar a atencao, e cortar cabelo chanel algo, no minimo, suspeito. Coroado com um nome bamdeirosissimo (He-Man? Donde ele tirou isso?)
Os monossilabos (perdoe-me a falta de correta acentuacao. Vem do fato de eu estar usando um terminal em terra estrangeira, sem privilegio de adm...) soh perdem em (des)graca para os diminutivos. E "Platinado", de graca ou nao, me fez rir muito! :D
Em tempo: Marisa sempre a melhor. E o texto lah publicado traduz em musica minha atual realidade ;)

Renata Victal disse...

Tb ODEIO estes apelidos. Pra mim é coisa de quem tem várias amantes e dá o mesmo apelido pra todas. Assim, a chance de trocar alhos por bugalhos é mínima. Uó. Bjs, re

Andrea disse...

Surfistinha querido,
Vamos combinar, vc está precisando de alguém pra adoçar uma pouquinha a sua praia,kkk.
Concordo em parte q alguns apelidos são brochantes, mas no tête-a-tête vale tudo, depende dos atores.
Agora deixe de marra e concorde q Doug já é um diminutivo e muito fofo por sinal!

Joselita disse...

Concordo 100% com a Andrea!

Dari disse...

Post muito interessante surfista...
acho tudo isso um saco!
Agora, pior que os diminutivos monossilábicos, são os ecos, tipo Su-su, Mi-mi, De-dê, Ro-rô, e no meu caso, desconfortavelmente: Da-dá... Arghhhh

Ah, e diz pro He-man que ele é um caso especial, são monossílabos originais... rs

Obrigada pela visita no meu blog!
É uma honra!
Bj

rancorizando disse...

hahahaha
sensacional esse post!
Eu tb detesto tudo isso, principalmente voz de criança, mas devo confessar: como boa paulistana, abrevio tudo e todos. Jô, Li, Pri, Ri, B., etc...

beijones
CÁ! rs...

damaria disse...

Ai NEM, deixa de ser bobo. No fundo você deve adorar esses apelidinhos, rssss

Esse texto me fez lembrar daquela sua "comédia romântica preferida": Como Perder um Homem em 10 Dias.

Mulheres tem problemas com esses apelidos. Ainda bem que tenho um cachorro, desconto nela todo o cuti cuti, até porque ela não entende ... e por isso mesmo parece gostar!

Surfista disse...

BIBI, poucas coisas são mais ridículas que um barbado falando com voz de nenê.

JACKIE, e olha que não tenho sequer um fio de cabelo platinado. É por conta da chapa de metal que tenho no braço.

RENATA, essa é uma teoria interessante. Já ouvi essa do apelidinho comum a todas para evitar confusões. Mas, cá entre nós, seria muita cara-de-pau, né?

ANDREA, toda brincadeira é válida na hora do "vamo-ver". Porém, devagar com o andor, né? Qual seria a sua reação ao ter alguma parte do seu corpinho batizado com um apelidinho fofucho? Ah, concordo com a parte da praia.

JOSELITA, idem, mas com restrições

DARI, muito bem sacado. duplicação do monossílabo também é dose pra leão. Eu tinha esquecido dessa. E foi um prazer lhe visitar. A honra é sempre minha.

RANCOROSA, eu sabia que você curtiria esse texto. Ele tem o seu estilo. Como você é paulista, eu já imaginava que você usava e abusava dos monossílabos.

MARIA, que é isso, Mamá? Desde quando eu coloco esse tal filme no meu ranking? Para lhe dizer a verdade, nunca o vi. E saiba que você não é a única que descarrega seus instintos fofos no cachorro. Já conheci outros casos.

Mari Mayo disse...

Uffa, que bom que "Doug" você gosta! Tinha ficado até preocupada lendo o texto.. rsrsrs

beijosss

Vulgo Dudu disse...

Na mihha opinião, o pior de todos é o famigerado "ném". E nem precisa ser namorado(a) para ser assim chamado.

E depois que casa, é horrível quando o casal se chama de "pai" e "mãe"...

Abs!

Carlamorim disse...

Como tudo na vida... é só usar o bom senso. Sem exageros e nas situações e ambientes apropriados, vale sim um apelidinho fofo e carinhoso. E criativo por favor.
:o)

Ptisa Molodói disse...

Você tem razão !!! Sou menina e deveria até dar crédito a apelidinhos toscos entre namôs, mais não curto não...deprimente...
qto a chamar pela sílaba... ai eu já sou suspeita Dô (desculpe a brincadeira...)
bjs

Cintia disse...

Concordo quanto aos apelidos, PRINCIPALMENTE em público, meu Deus nada mais aterrador do que ouvir alguém te chamando de "nenhêêê" bem no meio da festa de fim de ano do pessoal do trabalho, pois presenciei essa cena e tive que sair para rir....
O máximo que permito é amor, mas sem abreviações, no resto é Cintia mesmo porque tenho nome e gosto dele....
Só uma pessoa eu autorizo a fazer isso, mas ele é meu afilhado e tem 6 anos!!!!
Bjs
Ps.: Surfista adorei seu Blog ele é ótimo, mas a sacada do He-Man foi divina, fiquei aqui lembrando do desenho dele, que eu amava....