sexta-feira, 2 de maio de 2008

A aldeia global do Papai Smurf #5

NA TELINHA: Em 1976, Caetano, Gil, Gal e Bethânia já eram Caetano, Gil, Gal e Bethânia. Todos brilhavam como artistas consagrados e resolveram gravar um disco registrando o inédito encontro. Nasceu assim o lendário "Doces Bárbaros". Tal reencontro só se repetiria na Marquês de Sapucaí em idos de 1994 como tema da Mangueira. Bom, a verde-e-rosa se estrepou e nunca mais houve tal reunião. Mas no showbizz, nunca diga nunca. Em 2002, o quarteto combinou uma nova edição do encontro e coube a Gil acolher o projeto "Outros (Doces) Bárbaros" em seu estúdio na Gávea. Como não era bobo nem nada, Andrucha Waddington (na crista da onda por "Eu Tu Eles") assumiu a direção do filme que acompanharia os bastidores, ensaios e conversas dos baianos depois de 26 anos de separação artística. O documentário dispensa ordem cronológica e se concentra nos bate-papos do grupo, mostrando um pouco da intimidade dos ídolos já maduros. Gil é hospitaleiro e sempre bem-humorado, Caetano fala horrores e se diverte com quase tudo, Gal é silenciosa e Bethânia é introspectiva, beira a antipatia. Teria tudo para dar certo, mas ficou no "teria". Nada impressiona, nada se destaca e tudo é asséptico. Ok, ok, para não dizer que o DVD é um desperdício de tempo, os melhores momentos ficam por conta de uma repórter que pergunta sobre o reencontro dos (sic) "Novos Baianos", um debate entre Gil e Caetano sob o que é pop, um esporro em um jornalista abusado (da Folha de São Paulo, se não me engano) e Bethânia toda soltinha tomando uma cerveja no avião. A melhor frase é do então futuro ministro da cultura: "as brigas são o Red Bull do star-system". Sacou, bro? Smurf Joca quer mandar um presente explosivo para o Andrucha por desperdiçar uma boa idéia.


NA VITROLA: Papai Smurf gosta muito da Rita Lee. A mulher foi expulsa da maior banda de rock do Brasil dos anos 70 e deu a volta por cima construindo uma das carreiras mais sólidas da música nacional. Marcada pela pegada roqueira, a ruiva surpreendeu muita gente quando lançou em 1991 o disco "Bossa'n Roll". Bem antes da febre dos acústicos MTV, Rita reúne seus maiores hits em versões mega-simples: só voz e violão - sem batera, sem baixo, sem metais, sem eletricidade, sem firulas. Nada! Só as melodias. Anos depois, Rita caiu no canto da sereia e gravou um unplugged com o selinho da MTV. Smurfette prefere o "Bossa'N Roll" de longe. Ela está certíssima.


NA TELINHA 2: Papai Smurf é réu confesso: odeia comédias românticas. No entanto, curte muito comédias que primam pelo sarcasmo ou ironia refinada. Se por acaso, um filmeco romântico-mela-cueca consegue fazer rir e ainda sacanear o establishment, a mão está dada à palmatória. E, para grata surpresa de todos os Smurfs, "Letra & Música" é uma pedida leve e interessante para o feriado nublado. A história é açucarada e gira em torno de um ex-popstar dos anos 80 (Hugh Grant, com fino humor britânico) e sua chance de voltar ao estrelado compondo para uma musa teen atual. Para isso, o tal cantor recorre à inusitada ajuda de uma escritora amadora e destrambelhada (Drew Barrymore sem surpresas) com a qual (óóóóóóó) ele acaba se relacionando. O legal de "Letra & Música" é a forma direta como avacalha a breguice da época dos Menudos, a superficialidade das cantoras adolescentes e essa onda nostálgica de desenterrar ídolos de outrora. O ponto alto do filme é o clipe de "Pop goes my heart", sucesso da banda do Hugh Grant. É hilário como escracha todos os excessos daquela épóca.

7 comentários:

Dzinha disse...

A Dzinha ADOROU Letra&Música exatamente pelos mesmos motivos que o Papai Smurf.

ISO9002 disse...

Eu tb.. adorei Letra e Música. É muuuito divertido. Só o clipe de "Pop!" já pagou meu ingresso do cinema!!
Também recomendo!
Hmm, não conheço "Bossa'n Roll". Fiquei curiosa, gosto muito da
ruiva. Valeu a dica.
Bjs.

damaria disse...

"Well, you can cry me a river
Cry me a river
I cried a river over you"

Putz, tô velha!

Mari Martins disse...

ééé, eu também vi Letra&música!
muuito legal mesmoo !

Dani Amorim disse...

Marrapai, Letra e Musica surpreende ne? Assisti depois da pelicula ter virado centro de uma calorosa e animada discussao na comunidade do Mulé Burra. Um amigo me encheu o saco até eu ver. Tudo por causa da cena Mulé Burrística Master q a Drew protagoniza no restaurante qdo encontra o ex. De repente tudo q ela passou anos ensaiando p dizer a ele vai pelo ralo e ela se desmancha. Uma outra crítica que o filme faz eh sobre a espiritualizacao desorientada de algumas celebridades. Esqueci o nome agora da pop star la, mas eh ela meRma. Qualquer semelhança com os discursos de Elba Ramalho é mera coincidencia...hahahha
Alias, tenho nos favoritos o "way backing to love". Qdo add, quem viu vinha comentar.;)

Vulgo Dudu disse...

Tem um doc sobre os Doces Bárbaros, de 1979, dirigido pelo Jom Tob Azulay, que é divino! Recomendo!

Rita Lee, depois que parou de usar drogas pesadas (as pesadas, ok?)ficou um saco. Aliás, como a maioria fica. Posso listar alguns, aqui, que ficaram chatos quando ficaram limpos: Eric Clapton, Jorge Bem, os Titãs e por aí vai...

Abs!

Surfista disse...

DZINHA, você e o Papai Smurf estão sintonizados.

ISO9002, o clipe é o melhor de tudo. Confira "Bossa'N Roll".

MARIA, você anda muito esquisita ultimamente. Vou encaminhar seu caso ao He-Man.

MARI, filme que não mudará a vida de ninguém, mas que é bem legalzinho. Vale um confere.

DANI, a popstar se chama Cora. Na minha interpretação, a crítica é mais ligada à banalização de tudo que entra no circo pop. A garota se diz toda zen, mas é rasa como um pires e um dos seus sucessos tem como refrão "é com o bumbum que se mantém o namorado". Uia! Ah, a sequência do restaurante procede, não? Você se identificou?

VULGO, não vi o original, mas sei que deve ser muito melhor que o do Andrucha. Aliás, tenho esse DVD do reencontro porque temos um amigo em comum que trabalhou na Refazendae aparece duas vezes nas filmagens. Ah, "Bossa'N Roll" foi gravado na época das drogas pesadas. Poucos anos depois, em 1995, Rita Lee quase não abriu o show dos Stones porque teve um overdose. Em 1996, estava chapada, caiu da varanda da sua casa e quase morreu. Se ficou chata, não foi por causa da "limpeza". Os Titãs viraram banda da família. Normal. Até o Metallica ficou light.