domingo, 28 de novembro de 2010

O clube dos rapazes solteiros

Meus amigos estão casando. Mais que isso. Meus amigos estão tendo filhos. Meus amigos estão se tornando como eram meus pais e os seus próprios pais. Sabe aquela sensação de que ir a uma festa onde todos conversam sobre seus respectivos maridos (esposas), planos de maternidade e as prestações da casa nova? Algumas vezes é assim que eu me sinto. Você também?

Há alguns anos, ser solteiro era um privilégio, um passe livre para um infinito playground de possibilidades. Hoje em dia, ser single é a carteirinha para um clube com cada vez menos sócios e muitas restrições.

Vamos deixar uma coisa bem clara: este não é um lamento. Meu tempo é precioso e evito desperdiçá-lo resmungando. É apenas uma observação colhida após observar os últimos 12 meses, nos quais amigos queridos casaram, procriaram e fizeram algo "adulto" – não necessariamente nesta mesma ordem.

Ok, ok, eu tenho namorada. Com certeza, já é significativo. Porém, às vezes, as nossas próprias preocupações e perspectivas são diferentes, uma vez que ela é um pouco mais nova. Ela está pavimentando uma carreira brilhante. Eu estou vivendo um período sabático, enquanto morro de medo das consequências. Ela quer salvar o mundo. Eu quero ser mais um capitalista entediado e bem-sucedido como aquele que Raul Seixas descreve em "Ouro de Tolo". Posso fazer uma confissão? Meu maior medo é a frustração de falhar, de desapontar quem acredita em mim. Juro por Deus!

Parêntesis: você não odeia gente que escreve "concerteza"? Dá vontade de dar uns cascudos. Voltemos ao pensament
o...

Enfim, somos jovens adultos em um mundo globalizado, geopolitizado e com Internet banda larga. Temos preocupações, referências e medos diferentes dos que nossos pais tinham em nossas idades. Nossos All-Stars não estão novinhos em folha e ficamos pensativos quando ouvimos o Gilberto Gil cantar "Tempo Rei".

QUAL A MO
RAL DA HISTÓRIA,
HE-MAN?
Amiguinho, achei que esta vibe reflexiva tivesse ficado junto aos seus gibis do Homem-Aranha no Brasil. Parece que você andou ouvido "Yesterday" demais. Recaídas? Fofolete, mire-se no exemplo do todo-músculos He-Man. Eu sou sucesso desde 1983 e continuo com o mesmo shape de garoto de academia. Sei que esta é uma comparação injusta, mas pense que o que você guarda na memória ou no coração são tesouros inestimáveis. Você está vivendo e aprendendo e está justamente onde deveria estar. Todo o universo se organiza para te colocar no seu caminho. E já que você citou o sábio Raul Seixas, espelhe-se em um dos seus ensinamentos: "não sei para onde estou indo, mas sei que estou no meu caminho". Amiguinho, sempre que você tiver a oportunidade, diga aos seus amigos o quanto eles são especiais. Até a próxima!!!

3 comentários:

Maria disse...

eu adoro meus amigos casados, meus amigos com filhos, tô com duas primas 5 anos mais novas grávidas, mais duas amigas contemporâneas também grávidas... e essa coisa de gravidez, pra mulher, tem meio prazo de validade e tal, mas, eu não tô nem aí.

quem me conhece sabe que a filha que eu mais quis na vida foi a segunda filha da minha mãe, que veio linda, loira, mais magra, mais inteligente, e que provavelmente vai casar antes de mim, hehehehe

só me incomoda um pouco o papo cri-cri (criado-criança). não tenho o menor saco, confesso! e também aquela coisa de "ah, mas vc não sabe como é isso"... quando o papo descamba pra esse antipático lado, eu me supero e mando ver: "é, ainda bem que não sei mesmo", rs...

sei lá. não sou uma pessoa muito chegada a crises, sejam elas quais forem. a vida é muito curta até pra viver :)

beijo, saudades!

Mulherzinha Sim! disse...

Muitas amigas minhas já casaram e tiveram filho e sempre rola aquela fatídica pergunta: "E você quando vai casar?". Nossa, tenho pavor! Não porque eu não queira casar, mas é que acho que não tem nada a ver esse tipo de argumentação.

Últimamente, tenho me sentindo um pouco sozinha por ter "perdido" algumas companheiras, por estar sem namorado e, principalmente, porque dois bebês nasceram na família este ano e as pessoas começam a me olhar com aquela cara de que está na hora de eu providenciar o meu. Ou quase. rs
Mas, ao mesmo tempo, estou tranquila porque descobri que o compromisso mais importante é aquele que você tem com si mesma. Então, vou cuidar da minha carreira, da minha aparência, dos meus planos de viagens... E, quando eu menos esperar, as coisas vão acontecer.

Paulistana Solteira 30 disse...

Houve um tempo em que eu queria encontrar alguém para "resolver" essas questões de casamento e filhos. Hoje continuou procurando alguém mas, definitivamente, o que eu quero é um companheiro. Casamento e filhos podem até acontecer, mas vai ser naturalmente e sem planos, se for o melhor e desejável no momento. Não sei se me faço clara...